Curso aborda economia e cidades criativas

Recente relatório da Organização das Nações Unidas apontou a economia criativa como fomentadora do desenvolvimento sustentável e da inclusão social. Em um abordagem de mercado, a criatividade e a cultura tem se mostrado um ativo econômico capaz de diferenciar produtos, serviços e incrementar a qualidade de vida nas cidades. Prova disso, é que, em todo mundo, o setor movimentou US$ 624 bilhões em 2011. Para discutir os aspectos econômicos, sociais e históricos do setor, o Cemec realiza nos dias 8 e 9 de fevereiro o curso Economia Criativa e Cidades Criativas em São Paulo. As aulas pretendem fazer um recorte do panorama atual dos setores criativos e atender a cinco objetivos específicos: entender como a criatividade passa a ser entendida como ativo econômico e eixo de desenvolvimento urbano; perceber como a economia criativa pode favorecer a visão de cultura como investimento, reconhecendo à nossa vasta produção cultural também sua faceta econômica; enfatizar a imbricada relação entre economia, cultura, criatividade e desenvolvimento; ampliar o horizonte de entendimento das transformações em curso em várias cidades e países; situar o aluno no novo quadro de discussões econômicas, sociais, culturais e geopolíticas globais. O curso será coordenado por Ana Carla Fonseca Reis, referência no tema e uma das consultoras do relatório da ONU. A economista é sócia-diretora da Garimpo de Soluções, empresa voltada à economia da cultura, economia criativa, cidades criativas e desenvolvimento. Durante as aulas, Ana Carla irá apresentar casos práticos de cidades criativas em países como Canadá, Inglaterra e Marrocos. Maratona – O curso Economia e Cidades Criativas é parte do #VerãoCemec, programa apresentado pelo site Cultura e Mercado que reúne 12 cursos, em uma programação intensiva, com 144 horas/aula, voltados a aspirantes e empreendedores culturais e criativos com negócios já consolidados. O corpo docente inclui gestores, pesquisadores, profissionais do mercado da cultura e entretenimento e professores de universidades e instituições culturais brasileiras. Entre os conteúdos abordados, estão: projetos culturais, lei rouanet, proac, gestão, produção, mercado, patrocínio, marketing, economia criativa, fontes de financiamento, captação de recursos e prestação de contas. Os módulos são complementares, mas podem ser realizados de forma independente. Inscrições feitas com antecedência têm desconto. Para mais informações sobre a programação, acesse o site do Cemec.